sexta-feira, 27 de setembro de 2013

IPCC E SEU QUINTO RELATÓRIO: O SER HUMANO PROVOCA O AQUECIMENTO GLOBAL


     É PRECISO AGIR, ACREDITAR QUE PODEMOS MUDAR

    CONSTRUIRMOS UM BRASIL E UM MUNDO SUSTENTÁVEL JÁ


    O aquecimento global é um alerta permanente para todo o mundo. É preciso intensificar ações locais e globais para revertermos os danos causados pela ação humana ao meio ambiente. Todos nós já percebemos e sentimos como as mudanças climáticas estão alterando a vida no campo e na cidade. O grande desafio é que o aquecimento global está ligado ao modo de produção de sociedade onde a emissão de gases de efeito estufa continuam aumentando. As ações locais e globais em defesa do meio ambiente precisam ser ampliadas.
   Este foi o alerta que o Jornal O Ecoambiental realizou durante a IV Conferência Municipal de Belo Horizonte de Meio Ambiente: debater os resíduos sólidos é muito importante, contudo, é necessário que os outros problemas ambientais sejam tratados em todas as Conferências no Brasil e no mundo. Não existe solução para a crise ambiental somente pelo viés do mercado. É preciso potencializar e valorizar as ações de cada pessoa humana, dos grupos que se organizam, das instituições públicas e privadas, dos governos, com relação a redução da emissão de gases de esfeito estufa.
   O avanço do mar em várias partes do mundo no litoral, antecipam a gravidade do problema. Chuvas, enchentes, secas, nevascas, furações, tornados, tsunamis ( intensificados, sem controle e previsão são indicadores dos efeitos do aquecimento global); a produção de fertilizantes e agrotóxicos utilizados na agricultura, a poluição ao ar em grandes cidades do mundo; o desmatamento da Amazônia, comprovam que estas mudanças estão adoecendo o meio ambiente e os seres humanos. Este relatório divulgado na Suécia hoje, só reafirma o que já foi divulgado em outros relatórios: os seres humanos e o modo de produção de sociedade  estão aquecendo o planeta.
   Você leitor(a) do Jornal O Ecoambiental está convidado a agir conosco: PARTICIPE DE NOSSA CAMPANHA DE PLANTIO DE ÁRVORES; DE NOSSA CAMPANHA PERMANENTE DE ASSINANTES APOIADORES ( veja como no link ao lado deste blog) , CONTE COM O NOSSO APOIO PARA VOCÊ IMPLANTAR UM PROJETO SOCIOAMBIENTAL LOCAL, APÓIE A PRODUÇÃO DE ALIMENTOS DOS AGRICULTORES FAMILIARES ORGÂNICOS, MANIFESTE SUA OPINIÃO: ESCREVENDO,  ENVIANDO-NOS - MATÉRIAS, ARTIGOS, REPORTAGENS. Faça com que as informações sobre os problemas e soluções da crise socioambiental que o Brasil e o mundo enfrentam cheguem ao conhecimento de toda  população.



 
RELATÓRIO DO IPCC DIVULGADO NA SUÉCIA HOJE:

- A Temperatura da Terra pode subir 4,8 ºC até , diz relatório de meio ambiente da ONU

- De acordo com documento, divulgado nesta sexta-feira, no fim do século o gelo do Ártico pode diminuir até % e o nível do mar subir 82cm

- O documento reúne previsões do aquecimento global até apontando aumento de temperatura superior a 2 graus ‘A influência humana no clima é clara’, diz trabalho
 
   A previsão do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU (IPCC) é que o aquecimento global até o final do século 21 seja “provavelmente superior” a 2 graus (com pelo menos 66% de chances disto acontecer), superando o limite considerado seguiro pelos especialistas. Até 2100, o nível do mar deve aumentar perigosamente de 45 a 82 centímetros, considerando o pior cenário (ou de 26 a 55 centímetros, no melhor), e o gelo do Ártico pode diminuir até 94% durante o verão local.

    Além disso, o relatório do IPCC -- publicado na manhã desta sexta-feira em Estocolmo, na Suécia, com as bases científicas mais atualizadas sobre as mudanças climáticas -- considera que há mais de 95% de certeza para afirmar que o homem causou mais da metade da elevação média da temperatura entre 1951 e 2010. Neste período, o nível dos oceanos aumentou 19 centímetros.

    O documento, com o trabalho de 259 cientistas e representantes dos governos de 195 países, inclusive o Brasil, ressalta que parte das emissões de CO2 provocadas pelo homem continuará a ser absorvida pelos oceanos. Por isso, é praticamente certo (99% de probabilidade) que a acidificação dos mares vai aumentar, afetando profundamente a vida marinha.

     A mudança de temperatura da superfície do planeta deve exceder 1,5 grau, e, provavelmente, será superior a 2 graus — disse o copresidente do trabalho Thomas Stocker. — É muito provável que as ondas de calor ocorram com mais frequência e durem mais tempo. Com o aquecimento da Terra, esperamos ver regiões atualmente úmidas recebendo mais chuvas, e as áridas, menos, apesar de haver exceções.

    Os especialistas fizeram quatro projeções considerando situações diferentes de emissões de gases-estufa. Em todas, há aumento de temperatura. As mais brandas ficam entre 0,3 ºC e 1,7 ºC. Nestes casos, seria necessário diminuir muito as emissões. Já no cenário mais pessimista, o aquecimento ficaria entre 2,6 ºC e 4,8 ºC.

- Na minha opinião, o relatório é muito bom, repleto de informações e todas muito bem fundamentadas – comentou a especialista brasileira Suzana Kahn, que faz parte do grupo de pesquisadores do IPCC em Estocolmo. - No fundo, o grande ganho é a comprovação do que tem sido dito há mais tempo, com muito mais informação sobre o papel dos oceanos, das nuvens e aerossóis. Isto é muito importante para o mundo científico, pois aponta para áreas que precisam ser mais investigadas.

 
- O relatório do IPCC reafirma algumas certezas e vai além. Aponta a perda de massa de gelo, o aumento do nível dos oceanos, o incremento de chuvas onde já se chove muito, além da diminuição da umidade nas regiões mais áridas. No Brasil, o semiárido pode se tornar mais árido. Por outro lado, o Sul e Sudeste podem ter mais chuvas do que hoje - enumerou Rittl. - É importante ressaltar que o relatório fala de médias. Ou seja, em algumas regiões do país pode haver aumento de seis graus, com picos de mais de oito graus. A gente não está preparado para isso. E nossas emissões nos colocam numa trajetória de altíssimo risco, mais próxima dos piores cenários.

   Para Rittl, a ciência está dando uma mensagem clara: é preciso diminuir as emissões. Isso significa levar os temas relacionados às mudanças climáticas para as decisões políticas:

- Hoje o aquecimento global ainda é um tema marginal. Os investimentos em infraestrutura, energia, o plano Safra, todos os grandes investimentos da escala de trilhões de reais não têm praticamente nenhuma vinculação com a lógica de baixo carbono. Estamos sendo pouco responsáveis

 

   Lançado a cada seis anos, os relatórios do IPCC estão sob críticas de especialistas. O processo de análise dos documentos por representantes do governo acaba chegando a uma situação intermediária entre diplomacia e ciência, explica Emilio La Rovere, pesquisador da Coppe/UFRJ.

— O resultado é um meio termo entre diplomacia e ciência — afirmou Rovere.

Um dos pontos mais polêmicos são os chamados hiatos, períodos de cerca de 15 anos em que a temperatura média do planeta não aumenta. Por exemplo, a Agência Estatal de Meteorologia da Espanha anunciou, nesta semana, que o último trimestre na Península Ibérica foi o menos quente desde 2008. Entretanto, o relatório de 2007 do IPCC não citou estas pausas do aquecimento, dando argumento aos céticos.
 
 
Limite do aquecimento global

As informações do IPCC são importantes para a criação de estratégias de combate às mudanças climáticas. Na Convenção do Clima da Dinamarca (COP-15, realizada em 2009), foi criada a meta de limitar o aquecimento global em 2 graus. Para isso acontecer em 2050, explica Emilio La Rovere, da Coppe/UFRJ, seria necessário cortar 80% das emissões em comparação com 1990:

— Os modelos matemáticos simulando evolução demográfica, economia mundial, demanda e oferta de energia mostram que fica realmente quase impossível atingir este objetivo.
 
Este é o Quinto Relatório do IPCC, que será lançado em quatro partes, entre setembro de 2013 e novembro de 2014. Nesta sexta-feira, foi publicado o documento do Grupo de Trabalho I (sobre os aspectos científicos das mudanças climáticas). Entre os dias 25 e 29 de março de 2014, será a vez do Grupo de Trabalho II (analisando os impactos, a adaptação e a vulnerabilidade), que se reunirá em Yokohama, no Japão. O Grupo de Trabalho III (especializado na mitigação dos impactos das mudanças climáticas) está previsto para os dias 7 e 11 de abril em Berlim, na Alemanha. Por fim, será criado um relatório síntese, cujos trabalhos ocorrerão entre os dias 27 e 31 de outubro, em Copenhague, na Dinamarca.


   A DEFESA DO MEIO AMBIENTE, DA VALORIZAÇÃO DA ESPÉCIE HUMANA É A CAUSA QUE TODOS NÓS ESTAMOS CONVOCADOS A ASSUMIR JÁ
 
IPCC

O IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change ou Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) foi criado em 1988 

pela Organização Meteorológica Mundial e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) para fornecer informações científicas, técnicas e sócio-econômicas relevantes para o entendimento das mudanças climáticas. Seus impactos potenciais e opções de adaptação e mitigação. É um órgão intergovernamental aberto para os países membros do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e da Organização Meteorológica Mundial (OMM). (Wikpédia)

terça-feira, 24 de setembro de 2013

PRESIDENTA DILMA DISCURSA NA ONU CONTRA ESPIONAGEM E REAFIRMA AS RESOLUÇÕES DA RIO + 20 DE COMBATE A POBREZA E DEFESA DO MEIO AMBIENTE

 

 
   O Jornal O Ecoambiental  esteve presente na Rio + 20 (Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável) acompanhando os debates dos representantes de vários países para que haja um esforço global em defesa da vida e de melhores condições socioambientais no mundo. Consideramos muito importante a declaração da Presidenta Dilma no dia de hoje na ONU ao defender  como desdobramento da Rio + 20 a inclusão do combate à pobreza como meta global e que todas as Nações possam assumir compromissos de defesa do meio ambiente numa perspectiva de crescer, incluir, preservar e proteger. Muito importante também foi a defesa da Presidenta Dilma do multilateralismo, a liberdade de expressão dos indivíduos e a defesa dos direitos humanos, a universalidade, o respeito a diversidade cultural, a neutralidade na internet. A soberania das Nações deve ser respeitada como princípio ético básico do Direito Internacional. A manutenção da paz mundial é o desafio que a ONU deve procurar manter, pois foi criada com esta finalidade. Como nosso jornal considera a questão de defesa e proteção do meio ambiente uma prioridade nacional e global, sempre achamos que a questão ambiental merece mais destaque nas argumentações do Brasil no exterior, pois nosso país exerce um papel fundamental no cenário internacional para que o mundo de fato possa ser sustentável respeitando-se e valorizando a espécie humana e todo o meio ambiente.
 
   Postamos a seguir uma parte do discurso da Presidenta Dilma na abertura da Assembléia Geral das Nações Unidas (ONU) que teve grande repercussão na imprensa mundial.
 

"Embaixador John Ashe, Presidente da 68ª Assembleia-Geral das Nações Unidas,

Senhor Ban Ki-moon, Secretário-Geral das Nações Unidas,

Excelentíssimos Senhores Chefes de Estado e de Governo,
Senhoras e Senhores,
   Permitam-me uma primeira palavra para expressar minha satisfação em ver um ilustre representante de Antígua e Barbuda - país que integra o Caribe tão querido no Brasil e em nossa região - à frente dos trabalhos desta Sessão da Assembleia-Geral.

Conte, Excelência, com o apoio permanente de meu Governo.

    Permitam-me também, já no início da minha intervenção, expressar o repúdio do governo e do povo brasileiro ao atentado terrorista ocorrido em Nairóbi. Expresso as nossas condolências e a nossa solidariedade às famílias das vítimas, ao povo e ao governo do Quênia.
  O terrorismo, onde quer que ocorra e venha de onde vier, merecerá sempre nossa condenação inequívoca e nossa firme determinação em combatê-lo. Jamais transigiremos com a barbárie.
Senhor Presidente,
   Quero trazer à consideração das delegações uma questão a qual atribuo a maior relevância e gravidade.
   Recentes revelações sobre as atividades de uma rede global de espionagem eletrônica provocaram indignação e repúdio em amplos setores da opinião pública mundial.
   No Brasil, a situação foi ainda mais grave, pois aparecemos como alvo dessa intrusão. Dados pessoais de cidadãos foram indiscriminadamente objeto de interceptação. Informações empresariais - muitas vezes, de alto valor econômico e mesmo estratégico - estiveram na mira da espionagem. Também representações diplomáticas brasileiras, entre elas a Missão Permanente junto às Nações Unidas e a própria Presidência da República tiveram suas comunicações interceptadas.
  
Imiscuir-se dessa forma na vida de outros países fere o Direito Internacional e afronta os princípios que devem reger as relações entre eles, sobretudo, entre nações amigas. Jamais pode uma soberania firmar-se em detrimento de outra soberania. Jamais pode o direito à segurança dos cidadãos de um país ser garantido mediante a violação de direitos humanos e civis fundamentais dos cidadãos de outro país.
   Pior ainda quando empresas privadas estão sustentando essa espionagem.
   Não se sustentam argumentos de que a interceptação ilegal de informações e dados destina-se a proteger as nações contra o terrorismo.
  O Brasil, senhor presidente, sabe proteger-se. Repudia, combate e não dá abrigo a grupos terroristas.
   Somos um país democrático, cercado de países democráticos, pacíficos e respeitosos do Direito Internacional. Vivemos em paz com os nossos vizinhos há mais de 140 anos.
   Como tantos outros latino-americanos, lutei contra o arbítrio e a censura e não posso deixar de defender de modo intransigente o direito à privacidade dos indivíduos e a soberania de meu país. Sem ele - direito à privacidade - não há verdadeira liberdade de expressão e opinião e, portanto, não há efetiva democracia. Sem respeito à soberania, não há base para o relacionamento entre as nações.
   Estamos, senhor presidente, diante de um caso grave de violação dos direitos humanos e das liberdades civis; da invasão e captura de informações sigilosas relativas as atividades empresariais e, sobretudo, de desrespeito à soberania nacional do meu país.
   Fizemos saber ao governo norte-americano nosso protesto, exigindo explicações, desculpas e garantias de que tais procedimentos não se repetirão.
   Governos e sociedades amigas, que buscam consolidar uma parceria efetivamente estratégica, como é o nosso caso, não podem permitir que ações ilegais, recorrentes, tenham curso como se fossem normais. Elas são inadmissíveis.
   O Brasil, senhor presidente, redobrará os esforços para dotar-se de legislação, tecnologias e mecanismos que nos protejam da interceptação ilegal de comunicações e dados.
   Meu governo fará tudo que estiver a seu alcance para defender os direitos humanos de todos os brasileiros e de todos os cidadãos do mundo e proteger os frutos da engenhosidade de nossos trabalhadores e de nossas empresas.
   O problema, porém, transcende o relacionamento bilateral de dois países. Afeta a própria comunidade internacional e dela exige resposta. As tecnologias de telecomunicação e informação não podem ser o novo campo de batalha entre os Estados. Este é o momento de criarmos as condições para evitar que o espaço cibernético seja instrumentalizado como arma de guerra, por meio da espionagem, da sabotagem, dos ataques contra sistemas e infraestrutura de outros países.
   A ONU deve desempenhar um papel de liderança no esforço de regular o comportamento dos Estados frente a essas tecnologias e a importância da internet, dessa rede social, para construção da democracia no mundo.
   Por essa razão, o Brasil apresentará propostas para o estabelecimento de um marco civil multilateral para a governança e uso da internet e de medidas que garantam uma efetiva proteção dos dados que por ela trafegam.
   Precisamos estabelecer para a rede mundial mecanismos multilaterais capazes de garantir princípios como:
 
1 - Da liberdade de expressão, privacidade do indivíduo e respeito aos direitos humanos.
2 - Da Governança democrática, multilateral e aberta, exercida com transparência, estimulando a criação coletiva e a participação da sociedade, dos governos e do setor privado.
3 - Da universalidade que assegura o desenvolvimento social e humano e a construção de sociedades inclusivas e não discriminatórias.
4 - Da diversidade cultural, sem imposição de crenças, costumes e valores.
5 - Da neutralidade da rede, ao respeitar apenas critérios técnicos e éticos, tornando inadmissível restrições por motivos políticos, comerciais, religiosos ou de qualquer outra natureza.
O aproveitamento do pleno potencial da internet passa, assim, por uma regulação responsável, que garanta ao mesmo tempo liberdade de expressão, segurança e respeito aos direitos humanos.

   ...
 
   No debate sobre a Agenda de Desenvolvimento pós-2015 devemos ter como eixo os resultados da Rio+20.

   O grande passo que demos no Rio de Janeiro foi colocar a pobreza no centro da agenda do desenvolvimento sustentável. A pobreza, senhor presidente, não é um problema exclusivo dos países em desenvolvimento, e a proteção ambiental não é uma meta apenas para quando a pobreza estiver superada.
   O sentido da agenda pós-2015 é a construção de um mundo no qual seja possível crescer, incluir, conservar e proteger. ... "
 
ONU

 
  A ONU (Organização das Nações Unidas) é uma organização internacional destinada a garantir a segurança, o desenvolvimento econômico, o progresso social e os direitos humanos. A Organização das Nações Unidas conta com 193 países membros e sua sede está localizada em Nova York.

   A ONU surgiu durante a Segunda Guerra Mundial, quando representantes de 26 nações se comprometeram a combater à violência.

  O projeto das Nações Unidas teve início em 1899, na Conferência Internacional da Paz de Haia. Nesse encontro foram elaborados instrumentos para a resolução de crises pacificamente e para evitar guerras. Esse foi o embrião da ONU.

  A Carta das Nações Unidas foi lançada na Conferência de São Francisco, em 1945. Na ocasião, representantes de 50 países se reuniram para elaborar o documento. A Carta foi assinada em 26 de junho de 1945.

  Oficialmente, a ONU passou a existir em 24 de outubro de 1945, quando a Carta foi ratificada por China, França, União Soviética, Reino Unido, Estados Unidos e pela maioria dos outros signatários. O Dia das Nações Unidas é celebrado em 24 de outubro de cada ano. Historicamente é tradição o Brasil abrir a Assembléia Geral das Nações Unidas, com o fez hoje a Presidenta Dilma.

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

SANTA EFIGÊNIA E A FESTA DO JUBILEU DE 90 ANOS

                            Santa Efigênia percorrendo as ruas de BH no carro do Corpo de Bombeiros
                                     Foto: Jornal O Ecoambiental

   O Jornal O Ecoambiental acredita no ecumenismo como caminho para o diálogo de todas as crenças que conduzem os seres humanos a uma vida digna, igualitária, com qualidade de vida e meio ambiente sadio para todos.


video


   É possível todos nós aprendermos a elevar a condição humana e valorizarmos os dons de cada pessoa que fortaleçam nossas atitudes em defesa da vida e de todo o meio ambiente. Saber lidar com nossas imperfeições é acreditar que podemos a cada dia sermos seres humanos melhores. Aprender com os bons exemplos significa vencer imperfeições. Santa Efigênia faz com que as boas qualidades  dos seres humanos se elevem e sejam valorizadas.
 

Santa Efigênia e a devoção dos fiéis - Foto: Jornal O Ecoambiental
 

   Acompanhamos com alegria os festejos de Santa Efigênia. Ela é padroeira de uma Igreja da Arquidiocese de Belo Horizonte. Dia 21 de setembro comemora-se seu dia e neste ano de 2013 é comemorado o Jubileu de 90 anos da Igreja de Santa Efigênia.
   Santa Efigênia foi uma Princesa Africana, filha do rei Etíope Eggipus de um antigo reino da Etiópia. Sua imagem foi trazida de Ouro Preto para Belo Horizonte no início da fundação da cidade. Ela é padroeira dos negros, dos militares, protege contra incêndios e a moradia.

   Diz a lenda que, por volta de 1865, os soldados do 17o batalhão, aquartelados em Ouro Preto, foram lutar na Guerra do Paraguai e Santa Efigênia os acompanhou o tempo todo para protegê-los. Quando estavam os soldados à beira mar, ali aparecia uma jovem negra. Eles se espantavam e perguntavam o que ela fazia ali, num lugar perigoso como aquele. E ela dizia que estava ali para protegê-los e avisava dos perigos. Uma vez ela preveniu sobre uma ponte pela qual iriam passar. Ao verificar a situação da ponte, os oficiais viram que ela não era segura e evitaram atravessá-la, salvando toda a tropa de um grande desastre. (  Fonte:
Angela Leite Xavier)
 

video

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

SALÁRIO MÍNIMO NECESSÁRIO EM AGOSTO DE 2013


  O salário mínimo necessário segundo o Dieese - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos no mês de agosto de 2013 deveria ser de:
R$ 2.685,47. 
  O salário mínimo nominal (*) vigente é de: R$ 678,00 cerca de 3,96 menor que o necessário; uma diferença de R$ 2.007,00.

Relatório do IBGE e os conflitos socioambientais no Brasil
    Uma medida para avaliar as desigualdades de renda é quanto cada quinto
da população se apropria do total da riqueza nacional medida pelo rendimento
total (todas as fontes), auferido pelos indivíduos.
   Segundo uma “síntese de indicadores sociais” do IBGE 2012, os 20% mais ricos ainda detêm
57,7% desse rendimento, em contrapartida ao pouco mais de 11% detido pelos
40% mais pobres.
 
  Mais de 77 milhões de brasileiros (40% mais pobres) detém apenas 11% da riqueza nacional enquanto cerca de mais de 38 milhões de habitantes (20% mais ricos) detém 57 % da riqueza.
    Em 1 de julho de 2013 a população estimada do Brasil era de 201.032.714 habitantes. Segundo o IBGE, o Brasil tem 7.085.828 habitantes a mais que o registrado em 1º de julho de 2012, quando a população era de 193.946.886
 
       Segundo este relatório do IBGE( "síntese de indicadores sociais"), a estruturação das despesas também é diferente quando as famílias são estratificadas por rendimentos. Dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares - POF 2008-2009 mostram, por exemplo, em relação às despesas com assistência à saúde, que os 40% com menores rendas usaram 74,2% destes gastos com medicamentos, enquanto entre os 10% com maiores rendas apenas 33,6% das despesas com assistência à saúde foram destinadas à compra de medicamentos.
   O acesso também é diferenciado em relação a plano/seguro-saúde, correspondendo a 7,0% dos gastos dos 40% mais pobres, contra 42,3% dos 10% mais ricos. No primeiro caso, o acesso a plano/seguro-saúde costuma ser limitado, concorrendo para isso a alta
proporção de despesas com alimentação, habitação e transporte no orçamento
doméstico das famílias com menores rendas.
  Os domicílios nas faixas de rendimento domiciliar per capita de até ¼
do salário mínimo e de ¼ a ½ salário mínimo apresentam maior número de membros,
embora, cabe destacar, este número venha acompanhando a tendência geral de redução
do tamanho das famílias em função da queda nas taxas de fecundidade e do aumento
do número de separações e divórcios. A presença de crianças também é indicativo
de vulnerabilidade para os domicílios mais pobres, os quais apresentam, em média,
4,1 pessoas, enquanto a média do País situa-se em 3,0. Muitos destes domicílios são
monoparentais femininos com filhos menores de 14 anos de idade, arranjo familiar
predominante em 27,0% dos domicílios com rendimento per capita de até ¼ do salário
mínimo. Trata-se de um tipo de arranjo familiar que poderá enfrentar dificuldades de
lidar com uma eventual situação de crise, pelo fato de contar com menos um provedor
e cuidador. Neste perfil, destaca-se uma sobrerrepresentação de pessoas de cor ou raça
preta ou parda, além de baixa escolaridade da pessoa de referência e menor acesso a
serviços de saneamento – 51,8% dos domicílios urbanos com rendimentos per capita
de até ¼ do salário mínimo e 38,2% daqueles com mais de ¼ a ½ salário mínimo não
têm acesso simultâneo a serviços de saneamento e iluminação elétrica. (Fonte: IBGE)
  Este breve quadro de análise desta "síntese" do IBGE poderia ser estudado em detalhes se levarmos em conta as diferenças e desigualdades sobre a qualidade de educação, transporte público, habitação, o endividamento das famílias brasileiras e um agravamento das crises familiares pela constatação do aumento das separações e divórcios. Poderíamos até questionar qual a relação da queda da fecundidade no Brasil e o uso abusivo de agrotóxicos na alimentação da população. Na verdade as análises socioambientais sobre os dados divulgados pelo IBGE seriam de grande importância para toda a população.
 
  Há quem argumente que os conflitos socioambientais na sociedade brasileira não estão ligados a pobreza, distribuição de renda e questões étnicas, contudo, como um pai ou mãe de uma família brasileira que recebe salário mínimo nominal pode manter sua família e criar seus filhos com dignidade diante esta discrepância de renda ?  Esta situação da péssima distribuição de renda no Brasil é um dos graves problemas socioambientais que o Brasil precisa resolver com urgência.
 
(*)Salário mínimo nominal: salário mínimo vigente; b) Salário mínimo necessário: Salário mínimo de acordo com o preceito constitucional "salário mínimo fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender às suas necessidades vitais básicas e às de sua família, como moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, reajustado periodicamente, de modo a preservar o poder aquisitivo, vedada sua vinculação para qualquer fim" (Constituição da República Federativa do Brasil, capítulo II, Dos Direitos Sociais, artigo 7º, inciso IV). É considerado em cada mês o maior valor da ração essencial das localidades pesquisadas. A família considerada é de dois adultos e duas crianças, os dois últimos consumindo o equivalente a um adulto. Ponderando-se o gasto familiar, chega-se ao salário mínimo necessário.(Dieese)

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

SEJA UM ASSINANTE/APOIADOR DO JORNAL O ECOAMBIENTAL



MULTIPLIQUE ATITUDES EM DEFESA DA VALORIZAÇÃO DA VIDA E DE TODO O MEIO AMBIENTE
 
PLANTE UMA ATITUDE
 

   Participe de nossa campanha de assinantes/apoiadores do Projeto e Jornal O Ecoambiental. Envie-nos um e-mail dizendo que deseja ser assinante/apoiador. A assinatura tem um valor de R$ 17,00 para receber quatro edições de nosso jornal impresso por ano. Você também pode definir um valor de assinatura como apoio, acima deste valor, na quantia que desejar e da forma que desejar. Basta enviar-nos um e-mail com a forma de assinatura que você deseja realizar: 15% destes recursos vamos destinar ao apoio a projetos sustentáveis que defendam a valorização dos seres humanos e de todo meio ambiente,como os produtores da agricultura familiar que produzem alimentos agroecológicos e orgânicos. A nossa sustentabilidade está baseada na economia solidária, fundamentada no Artigo 225 da Constituição e na Agenda 21.
 
QUEM DEFENDE O MEIO AMBIENTE, DEFENDE A SI MESMO, A SUA FAMÍLIA, TODA COMUNIDADE LOCAL, MUNDIAL
 Como participar?


   Você pode participar de nossos eventos, também nos enviando matérias, artigos, textos sobre meio ambiente para serem divulgados em nosso blog: WWW.oecoambiental.blogspot.com. Você pode ser assinante/apoiador como explica este texto. Também deixamos a você a possibilidade de participar de nossa campanha permanente de plantio de árvores.

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE URBANAS

   As Áreas de Preservação Permanente foram instituídas pelo Código Florestal (Lei nº 4.771 de 1965 e alterações posteriores) e consistem em espaços territoriais legalmente protegidos, ambientalmente frágeis e vulneráveis, podendo ser públicas ou privadas, urbanas ou rurais, cobertas ou não por vegetação nativa.

Entre as diversas funções ou serviços ambientais prestados pelas APP em meio urbano, vale mencionar:
  • a proteção do solo prevenindo a ocorrência de desastres associados ao uso e ocupação inadequados de encostas e topos de morro;
  • a proteção dos corpos d'água, evitando enchentes, poluição das águas e assoreamento dos rios;
  • a manutenção da permeabilidade do solo e do regime hídrico, prevenindo contra inundações e enxurradas, colaborando com a recarga de aquíferos e evitando o comprometimento do abastecimento público de água em qualidade e em quantidade;
  • a função ecológica de refúgio para a fauna e de corredores ecológicos que facilitam o fluxo gênico de fauna e flora, especialmente entre áreas verdes situadas no perímetro urbano e nas suas proximidades,
  • a atenuação de desequilíbrios climáticos intra-urbanos, tais como o excesso de aridez, o desconforto térmico e ambiental e o efeito "ilha de calor".

   A manutenção das APP em meio urbano possibilita a valorização da paisagem e do patrimônio natural e construído (de valor ecológico, histórico, cultural, paisagístico e turístico). Esses espaços exercem, do mesmo modo, funções sociais e educativas relacionadas com a oferta de campos esportivos, áreas de lazer e recreação, oportunidades de encontro, contato com os elementos da natureza e educação ambiental (voltada para a sua conservação), proporcionando uma maior qualidade de vida às populações urbanas, que representam 84,4% da população do país.

    Os efeitos indesejáveis do processo de urbanização sem planejamento, como a ocupação irregular e o uso indevido dessas áreas, tende a reduzi-las e degradá-las cada vez mais. Isso causa graves problemas nas cidades e exige um forte empenho no incremento e aperfeiçoamento de políticas ambientais urbanas voltadas à recuperação, manutenção, monitoramento e fiscalização das APP nas cidades, tais como:
  • articulação de estados e municípios para a criação de um sistema integrado de gestão de Áreas de Preservação Permanente urbanas, incluindo seu mapeamento, fiscalização, recuperação e monitoramento;
  • apoio a novos modelos de gestão de APP urbanas, com participação das comunidades e parcerias com entidades da sociedade civil;
  • definição de normas para a instalação de atividades de esporte, lazer, cultura e convívio da população, compatíveis com a função ambiental dessas áreas;

   Além disso, a Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano contratou a Universidade de Brasília para fazer o levantamento, em 700 municípios brasileiros, do percentual de áreas verdes e dos corpos d'água existentes nas áreas efetivamente urbanizadas e no seu entorno imediato, onde são exercidas as maiores pressões do processo de expansão urbana. O estudo visa conhecer a proporção de área urbanizada coberta por vegetação e o estado de conservação das APP em suas faixas marginais. A partir do conhecimento dessa realidade será possível subsidiar: a formulação de normas e parâmetros legais sobre o tema; o monitoramento e a definição de ações e estratégias da política ambiental urbana; os processos de decisão a fim de preservar as APP e evitar a sua ocupação inadequada; o apoio aos programas de prevenção de desastres; a avaliação de potencialidades e necessidades na recuperação e preservação das APP situadas em áreas efetivamente urbanizadas e de expansão urbana. ( Fonte: MMA|)

terça-feira, 10 de setembro de 2013

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

A "SOCIOLOGIA E O MEIO AMBIENTE: UM CAMINHO TORTUOSO RUMO À ECOLOGIA HUMANA"

  

    O Jornal O Ecoambiental está inaugurando  postagens de trabalhos na área de sociologia e meio ambiente. Nosso objetivo é criar um espaço de argumentação na área socioambiental, favorecendo uma reflexão teórica que possa contribuir na melhoria da prática não só de estudos e pesquisas, mas na melhoria qualitativa das ações nas áreas de ciências humanas na solução dos problemas socioambientais locais e globais.

   Iniciamos com Frederick Buttel e seu trabalho: "A SOCIOLOGIA E O MEIO AMBIENTE: UM CAMINHO TORTUOSO RUMO À ECOLOGIA HUMANA"

 
   "Frederick Buttel foi um sociólogo autor de reconhecimento internacional na sociologia ambiental desde a sua constituição nos anos 1970. O alcance dos seus trabalhos, o significativo volume de livros, os inúmeros capítulos em livros e a alta qualidade das suas intervenções acadêmicas em quase todos os temas e debates sobre sociologia ambiental fizeram dele um dos melhores e mais reconhecidos sociólogos ambientais em escala mundial. Ele aproximou subdisciplinas da sociologia e da política, estabelecendo pontes entre elas e permanecendo num engajamento crítico com outras escolas de pensament.. Sempre estimulou e motivou jovens pesquisadores e orientou muitos jovens acadêmicos no início e no decorrer das suas carreiras."

   A seguir indicamos o link na internet onde ler em pdf este trabalho:
Na Revista de Ciências Sociais: Perspectivas.

RESÍDUOS SÓLIDOS WORKSHOP


segunda-feira, 2 de setembro de 2013

TEORIAS SOBRE A SOCIOLOGIA E O MEIO AMBIENTE


  
SOCIOLOGIA DO MEIO AMBIENTE
 
  Um grande foco de análise para a sociologia na sociedade pós-industrial, pós-moderna ou contemporânea em que vivemos neste início de século XXI são os conflitos socioambientais. Partindo-se de uma análise metodológica  da sociologia do meio ambiente ou socioambiental, a implantação e o trabalho do Jornal O Ecoambiental busca argumentar e dar visibilidade aos caminhos possíveis de construção da sustentabilidade.
 
   O Brasil pela nossa singularidade e diversidade cultural vem trilhando um caminho original, verde e amarelo, pluri etnico de cidadania socioambietal. Estaremos recapitulando parte da história de construção do saber sociológico como forma de contribuir com outras ciências, saberes e culturas para a construção do Brasil sustentável que queremos. Esta proposta de teorização vem de encontro a fazermos uma retrospectiva histórica de conceitos, teorias, saberes que podem ganhar significação se agirmos, construirmos uma práxis visando a resolução dos problemas socioambientais que se agravam em nossa sociedade.
 
   Uma questão básica, inicial é a conceituação do que é sociologia, sociologia ambiental. Como existem várias propostas metodológicas dentro da sociologia vamos argumentar sobre algumas.
 
O QUE É SOCIOLOGIA
 
  
   "A sociologia é a parte das ciências humanas que estuda o comportamento humano em função do meio e os processos que interligam os indivíduos em associações, grupos e instituições. Enquanto o indivíduo na sua singularidade é estudado pela psicologia, a sociologia tem uma base teórico-metodológica voltada para o estudo dos fenômenos sociais, tentando explicá-los e analisando os seres humanos em suas relações de interdependência. Compreender as diferentes sociedades e culturas é um dos objetivos da sociologia.
   Os resultados da pesquisa sociológica não são de interesse apenas de sociólogos(as). Cobrindo todas as áreas do convívio humano — desde as relações na família até a organização das grandes empresas, o papel da política na sociedade ou o comportamento religioso —, a sociologia pode vir a interessar, em diferentes graus de intensidade, a diversas outras áreas do saber. Entretanto, os maiores interessados na produção e sistematização do conhecimento sociológico atualmente são o Estado, normalmente o principal financiador da pesquisa desta disciplina científica, e a sociedade civil organizada (movimentos sociais por exemplo).
    Assim como toda ciência, a sociologia pretende explicar a totalidade do seu universo de pesquisa. Ainda que esta tarefa não seja objetivamente alcançável, é tarefa da sociologia transformar as malhas da rede com a qual ela capta a realidade social cada vez mais estreitas. Por essa razão, o conhecimento sociológico, através dos seus conceitos, teorias e métodos, pode constituir para as pessoas um excelente instrumento de compreensão das situações com que se defrontam na vida cotidiana, das suas múltiplas relações sociais e, consequentemente, de si mesmas como seres inevitavelmente sociais. 
 
   A sociologia ocupa-se, ao mesmo tempo, das observações do que é repetitivo nas relações sociais para daí formular generalizações teóricas; e também se interessa por eventos únicos sujeitos à inferência sociológica (como, por exemplo, o surgimento do capitalismo ou a gênese do Estado Moderno), procurando explicá-los no seu significado e importância singulares).” (Wikipédia)
 
O QUE É A SOCIOLOGIA AMBIENTAL
 
 
“Sociologia Ambiental é um ramo da sociologia que se dedica ao estudo sociológico da vida social e das interações ambientais. Teve um grande desenvolvimento da década de 70, com o crescente das preocupações ambientais." ( Wikipédia )
 

PROJETO DEFENDE TARTARUGAS DO DELTA - PIAUÍ



  










 
Video apresentado no stand do Instituto Tartarugas do Delta na Sustentar 2013 
Foto: Jornal O Ecoambiental

O Jornal O Ecoambiental esteve presente na Sustentar 2013 ( Fórum Internacional sobre sustentabilidade promovido pelo Instituto Sustentar) realizada no Minascentro em Belo Horizonte e conheceu o Projeto Biomade que “desenvolve atividades visando o desenvolvimento comunitário com ações educativas e econômicas sempre levando aos envolvidos nas ações a importância da preservação da fauna marinha.”

Entrevista com Edlaine do Instituto Tartarugas do Delta


  Stand Instituto Tartarugas do Delta -  Sustentar 2013
 - Foto: Jornal O Ecoambiental

Jornal O Ecoambiental: Edlaine vocês realizam um trabalho em benefício das tartarugas marinhas ?
Edlaine: Trabalhamos com a biodiversidade marinha do delta, tanto as tartarugas marinhas, quanto a biodiversidade, o peixe-boi, golfinhos, cavalo marinho. De acordo com a lista dos animais ameaçados de extinção do Ibama na região.

Jornal O Ecoambiental: Como se chama a instituição de vocês ?
Edlaine: Somos do Instituto Tartarugas do Delta e executamos atualmente o Projeto Biomade que é patrocinado pela Petrobras, através do Programa Petrobras Ambiental que ajuda a fortalecer o trabalho de conservação de nossa região.

Jornal O Ecoambiental: E esta região fica no Piauí ?
Edlaine: No Piauí. Temos uma APA - Área de Proteção Ambiental - que é um tipo de Unidade de Conservação.. Trabalhamos dentro desta área de Proteção Ambiental Dentro desta área estão parte dos Estados do Maranhão, Piauí e Ceará, do Delta.

  O Delta do Parnaíba está situado entre os Estados brasileiros do Maranhão e do Piauí. O Rio Parnaíba é um dos únicos rios do mundo com foz em delta em mar aberto. Possui uma paisagem exuberante com dunas, mangues e ilhas fluviais. Em geografia, designa-se por delta a foz de um rio formada por vários canais ou braços do leito do rio1  (Wikipédia)