sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

VIDA EM SOCIEDADE - CONVIVÊNCIA

A vida em sociedade é um aprendizado. A convivência também pode nos ensinar a compreender as diferenças...








quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

AS DESIGUALDADES E CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS NO BRASIL


 Os problemas de meio ambiente são problemas de toda a sociedade. Em décadas recentes meio ambiente era o mesmo que referir-se apenas à fauna e flora. Restringia-se as ciências biológicas e exatas. As desigualdades e conflitos socioambientais eram excluídos da problemática ambiental. Diante o agravamento das condições de vida da maioria da população brasileira, que antes de qualquer dado estatístico, pode ser comprovada nas escolas públicas, principalmente em MG, com a péssima remuneração dos professores e a evasão escolar; nas filas intermináveis e precárias condições do transporte público (ônibus, metrô, ferrovias); na precária assistência pública de saúde; nos altos índices de contaminação da alimentação dos brasileiros com o uso abusivo de agrotóxicos; (o desperdício de alimentos chega em média a mais de 30% no país); no contraste de distribuição de renda no Brasil vendido como a “sexta maravilha” econômica do mundo:  a maioria da população vive sem o mínimo necessário a um pai ou mãe de família para sustentar e dar qualidade de vida e dignidade humana a seus filhos.
    O agravante deste quadro está expresso nas estatísticas que não são apresentadas na grande imprensa.  Há tanta alienação na grande imprensa e  futilidades, em telenovelas,  como nos “reality shows”. Uma grande parte da programação que acrescenta ignorância a estatística divulgada de ser o Brasil um dos países onde há um dos maiores contingentes de analfabetos adultos  no mundo. Estão analfabetizando culturalmente toda a população brasileira.  Estes pacotes de shows transnacionais agridem a cultura brasileira, marginalizada, relegada a segundo plano no horário nobre televisivo. Sem contar o comércio da fé. Até a crença em Deus vem sendo vendida como mercadoria. Mas Fé é algo que brasileiro nunca perderá.
  E a paixão nacional, o futebol, agora é para poucos. A maioria dos brasileiros está excluída das “novas arenas”. O preço de ingressos forçam a população a transferirem para a tv a convivência festiva que deveria ser comunitária e sadia. Nunca é demais lembrar que o ser humano é um ser social, necessita conviver em sociedade para evoluir. Os conflitos socioambientais podem ser estudados e constatados sociologicamente no futebol. A população impedida de ter acesso ao lazer se degladia fora dos estádios. O que resta a maioria de nós brasileiros ? Pelo menos dialogar, argumentar sobre o Brasil que trabalha e não é valorizado. Mantermos acesa nossa esperança de dias melhores. A população brasileira tão festiva e acolhedora merece mais respeito. Buscarmos saídas pela união de atitudes que fazem à diferença. Implantarmos uma conscientização sobre o Artigo 225 da Constituição.  Avaliar onde está a verdade: o show real da luta pela sobrevivência da maioria dos brasileiros. Este é o verdadeiro “milagre” do povo brasileiro: sobreviver em meio a um conflito socioambiental de tal magnitude.

Período
Salário mínimo nominal
Salário mínimo necessário
 2013
Dezembro
R$ 678,00
R$ 2.765,44
Novembro
R$ 678,00
R$ 2.761,584
Outubro
R$ 678,00
R$ 2.729,24

  "Salário mínimo nominal: salário mínimo vigente; b) Salário mínimo necessário: Salário mínimo de acordo com o preceito constitucional "salário mínimo fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender às suas necessidades vitais básicas e às de sua família, como moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, reajustado periodicamente, de modo a preservar o poder aquisitivo, vedada sua vinculação para qualquer fim" (Constituição da República Federativa do Brasil, capítulo II, Dos Direitos Sociais, artigo 7º, inciso IV). Foi considerado em cada mês o maior valor da ração essencial das localidades pesquisadas. A família considerada é de dois adultos e duas crianças, os dois últimos consumindo o equivalente a um adulto. Ponderando-se o gasto familiar, chega-se ao salário mínimo necessário. (Dieese)"

  Quem também poderia reverter isso não está conseguindo mobilizar a população. Há anos o movimento sindical baseava sua atuação nas campanhas salariais pelo salário mínimo necessário. Mesmo com os R$724,00 previstos para o salário mínimo nominal a partir de janeiro de 2014, o salário continuará sendo 4 vezes menor que o necessário para uma família se organizar com dignidade. Se os parlamentares acham que o salário mínimo atual permite a uma família se organizar, então deveriam eles mesmos receberem estes salários. Serem obrigados, como é a maioria dos brasileiros, que não podem pagar um plano de saúde, a colocarem os filhos dos parlamentares no atendimento do sistema público de saúde e cursarem escolas públicas. Os ditos empregos gerados pela economia excludente não levam em conta a subsistência real dos trabalhadores e sim mais um cpf para o consumo. São pessoas que sabem que receberão um salário onde não poderão sobreviver com dignidade e onde as empresas e bancos saberão despejar os juros  abusivos e onde se concentrarão as maiores cargas tributárias que manterão a burocracia impedindo que os serviços públicos de saúde, educação, cultura, transporte, habitação funcionem adequadamente.
   Sem salário o trabalhador se vê na obrigação de aumentar sua renda trabalhando mais. O trabalhar mais significa mais desgaste, stress e conflitos pessoais e socioambientais. As famílias são desfeitas. Agravam-se os problemas dos jovens principalmente. A cooperação entre o homem e a mulher mediada pelo amor passa a ser a competição, o conflito colocado de fora para dentro na relação dos casais, das famílias. Crianças sem referências de um pai e uma mãe não se estruturam psicologicamente bem para enfrentarem os conflitos da sociedade.  Um dos maiores problemas ambientais do mundo é o próprio ser humano.
    A educação pública de qualidade, que deveria ser obrigação do Estado, importa modelos onde uma prova continua excluindo maiorias do direito a cursar uma universidade de qualidade.  Assim como os pré-vestibulares o Enem torna-se um comércio. Nunca a falta de educação gerou tanto dinheiro para poucos. E quem paga a universidade ? É a classe trabalhadora. Mesmo as cotas não resolvem o problema dos conflitos étnicos do Brasil. Como um trabalhador terá tempo de estudar se tem, para sobreviver, que trabalhar em duas ou três atividades, além da principal, ou precarizar-se vendendo sua força de trabalho sem um mínimo de direitos trabalhistas garantidos ?   A psicologia pode analisar este problema socioambiental.  Pode explicar muito bem o que acontece com um ser humano instigado a consumir sem ter renda suficiente para isto. Resultado: mais de 60% da população está endividada e a grande maioria stressada. E esta dívida quem gerou ? Como um trabalhador e sua família podem dever tanto se trabalham tanto em condições precárias para sobreviver ?  Se argumentos não são ouvidos, quem sabe as estatísticas podem dizer algo:

   Segundo o censo de 2010 do IBGE, no universo das pessoas de 10 anos ou mais de idade, por classes de rendimento nominal mensal, 83,43% da população brasileira está na faixa: sem rendimento a até dois salários mínimos, sendo que deste total 37,09 %  os sem rendimento correspondem a pessoas que não possuem renda fixa ou recebiam somente em benefícios como o bolsa família. Acima de 10 a 20 salários mínimos eram 1,21% da população.
   Os 40% mais pobres da população brasileira eram responsáveis por 13,3% da renda total do país, enquanto os 10% mais ricos tinham 41,9% em 2012. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na pesquisa Síntese de Indicadores Sociais – Uma análise das condições de vida dos brasileiros.
    A questão da violência racial também é destacada na desigualdade de rendimentos. Em 2002, nos 10% mais pobres da população, 71,5% eram pretos e pardos e 27,9% eram brancos, enquanto o 1% mais rico era composto de 87,7% de brancos e 10,7% de pardos. Em 2012, a proporção passou para 75,6% de negros e 23,5% de brancos entre os 10% com menores rendimentos e para 81,6% de brancos e 16,2% de pretos e pardos no 1% da população com as maiores rendas. Se todos somos da mesma espécie humana, iguais, por que tamanha desigualdade ?

   Para não afirmarem que somos fatalistas nós ainda acreditamos na capacidade de seres humanos se unirem em defesa da vida, da dignidade humana e pela conquista de sociedades sustentáveis, ambientalmente mais justas, saudáveis, com qualidade de vida para todos. O importante é valorizarmos o ato de dar passos para esta sustentabilidade. Os brasileiros serem mais solidários ao sofrimento da população que trabalha para sustentar suas famílias. Sabemos que nenhum país se enriquece sem explorar economicamente outros. É preciso se respeitar às culturas locais nacionais, a autodeterminação dos povos. Se perguntarmos a um ser humano se ele quer ser feliz ou sofrer, o mais provável é que a resposta seja que queremos ser felizes. O que precisamos é corrigir este erro de organizar sociedades onde só alguns poucos consideram que só eles merecem ou podem ser felizes e por isso provocam tanta opressão e sofrimento na maioria da população, principalmente aos mais pobres. Que a conquista de nossa melhor tecnologia dos humanos seja buscar sociedades mais justas, ambientalmente mais sadias onde a maioria possa sobreviver com dignidade, sermos mais felizes. Sendo mais felizes conseguiremos perceber como o meio ambiente da Terra é belo e merece ser respeitado e valorizado por todos nós. Talvez assim perceberemos que somos parte de todo o meio ambiente.
  Temos direito a uma vida digna através da união de pessoas ambientalmente mais felizes. Valorizamos a diversidade de culturas como a dos povos indígenas, todas as etnias e crenças que trabalham na direção da valorização humana e de todo meio ambiente. 

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

O DESPERDÍCIO NO BRASIL E NO MUNDO:


   Recebemos uma informação de um leitor do jornal sobre o desperdício de alimentos nas padarias e restaurantes de Belo Horizonte. Como existem estudos sobre o desperdício no Brasil e no mundo, sabemos que este problema socioambiental pode ser resolvido, desde que haja maior difusão da educação alimentar e ambiental entre a população.
 O Brasil registra 13, 6 milhões de pessoas passando fome, segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e a média de desperdício gira em torno de 30%.
  Estes dados comprovam que não é o número de habitantes que produz fome no mundo,  mas a forma como os alimentos são produzidos e distribuídos, principalmente como hoje se dá a distribuição de riquezas no Brasil e no mundo.  A própria FAO já divulgou estatísticas de que a Terra produz anualmente três vezes mais alimentos que o necessário para alimentar toda a população do planeta.


DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS NO BRASIL

 O Brasil desperdiça diariamente mais de 39 mil toneladas de alimentos, o que daria para alimentar 19 milhões de brasileiros, com três refeições básicas: café da manhã, almoço e jantar.
  Além do desperdício nos domicílios brasileiros (em média 20%) há o desperdício na colheita (20%), transporte e armazenamento (8%), 15% na indústria de processamento. (VELLOSO, Rodrigo. Comida é o que não falta. Superinteressante. São Paulo: Ed. Abril, nº 174).
   Em seu livro “Brasil: O País dos Desperdícios” , o pesquisador da UERJ José Abrantes demonstra que o desperdício no Brasil chega a 150% do PIB. Esse número diz respeito não apenas ao que se perde de alimentos, água e energia elétrica, mas também a fatores como o desemprego, analfabetismo, doenças e não aproveitamento do lixo.


 O DESPERDÍCIO NO MUNDO

   Cerca de 1,3 bilhão de toneladas de alimentos desperdiçados anualmente não só causam grandes perdas econômicas, como também tem impacto significativo nos recursos naturais dos quais a humanidade depende para se alimentar. Essa é a conclusão de um novo relatório da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura divulgado no final de 2013.
   Os  alimentos produzidos, mas não consumidos, utilizam um volume de água equivalente ao fluxo anual do rio Volga, na Rússia.  Cerca de 1/3 dos alimentos produzidos no mundo são perdidos ou desperdiçados, enquanto cerca de 846 milhões de pessoas no mundo passam fome todos os dias, segundo estudos da FAO.

Dicas de combate ao desperdício de alimentos:

  Só em hortaliças estima-se que a média anual no Brasil gira em torno de 37 quilos por habitante. Numa comparação rápida o desperdício nos restaurantes a média é de 15% e nos domicílios 20% semanalmente.  Além de mudanças nos hábitos e na cultura de produção de alimentos, podemos reaproveitá-los. É fundamental que escolas, comunidades, empresas, instituições públicas e privadas organizem campanhas informativas a este respeito. Havendo maior valorização humana, haverá mais respeito a alimentação de qualidade para toda população.

Dicas de como reaproveitar os alimentos:

   Os talos de couve, agrião, beterraba, brócolis e salsa, entre outros, contêm fibras e devem ser aproveitados em refogados, no feijão e na sopa.- As folhas da cenoura são ricas em vitamina A e devem ser aproveitadas para fazer bolinhos, sopas ou picadinhos em saladas. O mesmo pode se dizer das folhas duras da salsa.- A água do cozimento das batatas acaba concentrando todas as vitaminas. Aproveite-a, juntando leite em pó e manteiga para fazer purê.- As cascas da batata, depois de bem lavadas, podem ser fritas em óleo quente e servidas como aperitivo.- A casca da laranja fresca pode ser usada em pratos doces à base de leite, como arroz doce e cremes.- A parte branca da melancia pode ser usada para fazer doce, que se prepara como o doce de mamão verde.- Com as cascas das frutas (ex: goiaba, abacaxi, etc), pode-se preparar sucos batendo-as no liquidificador. Este suco pode ser aproveitado para substituir ingredientes líquidos no preparo de bolos.- Evite consumir folhas com aparência amarelada.- Cozinhe as verduras a vapor, assim elas não perderão o valor nutritivo. E uma observação fundamental que estas frutas e verduras sejam sem agrotóxicos. Neste caso é fundamental todos nós apoiarmos e incentivarmos a produção e consumo de alimentos agroecológicos.

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

A PSICOLOGIA E O MEIO AMBIENTE

  Com a finalidade de argumentar de forma multidisciplinar com os saberes sobre a questão ambiental, estamos postando reflexões sobre a psicologia e o meio ambiente. O autor é Enrique Leff, doutor em Economia do Desenvolvimento pela Soborne, França, com especialização em Economia Política do Meio Ambiente e em Educação Ambiental. O que vem a seguir são trechos da Conferência apresentada no Primeiro Encontro Latino-Americano de Psicologia Ambiental, que está incluso no livro Saber Ambiental - Enrique Leff - Editora Vozes). 


  PSICANÁLISE E SABER AMBIENTAL 


     Enrique Leff 

   Ambientalizar a psicologia ou psicanalisar o ambiente: encontro de dois saberes frente à ciência

   "O saber ambiental, a partir das perspectivas do pensamento da complexidade, surge nos espaços de externalidade dos paradigmas dominantes do conhecimento, transformando os conceitos e métodos de diferentes disciplinas. Desta maneira, a economia, o direito, a antropologia e a sociologia vêm internalizando as condições ambientais que redefinem seus objetivos de conhecimento e seus campos de estudo.
   Também a psicologia vem se "ambientalizando". Desta maneira, analisa as formas como as condições ambientais afetam as capacidades cognitivas, mobilizam os comportamentos sociais e causam impacto à saúde mental. Também o campo emergente da psicologia ambiental contribui para a análise das percepções e interpretações das pessoas sobre seu meio ambiente, vinculando-se ao terreno da psicologia social no estudo da formação de uma consciência ambiental e seus efeitos na mobilização dos atores sociais do ambientalismo.
   Contudo, o encontro do saber ambiental com a psicanálise se apresenta num espaço que não é o da complementaridade nem da articulação de seus saberes, mas de seus paralelismos, suas solidariedades e suas disjunções. E talvez seja em relação com o saber que funda suas práticas e em sua cumplicidade na subversão do conhecimento científico que se encaram de frente esses saberes.
   O projeto científico da modernidade abre uma nova via à aventura do conhecimento a partir da constituição do sujeito de A Ciência que, a partir da certeza de seu pensamento tenta construir um conhecimento objetivo, livre de todo traço, de subjetividade e emotividade, para alcançar a verdade, a identidade do conhecimento com o real. Esse sujeito autoconsciente converte-se no princípio e ao mesmo tempo no maior obstáculo para alcançar o conhecimento objetivo." ...
...
   "Perante a ótica do saber ambiental - que observa as falhas do iluminismo científico e do triunfalismo tecnológico - o progresso da ciência, empurrado pelo impulso de saber e por sua vontade de controlar e dominar o real, provocou a destuição da natureza, exilando-a de sua terra natal, acelerando a morte entrópica do planeta, subjugando as culturas forjadoras de sentidos e desconhecendo em sua passagem seus saberes. A objetividade da ciência deixou que he escorresse o real que hoje fala em nome da natureza violada, denunciando o poder dominador do conhecimento científico.

 A emergência do saber ambiental questiona as bases éticas e epistemológicas da racionalidade científica e econômica que fundam e mantêm o projeto de modernidade que desembocou na crise ecológica. Mas o que poderia a psicanálise trazer a esta iniciativa ? A pulsão epistemofilica reata a aventura do conhecimento a partir da perspectiva aberta pelo saber ambiental, como aquela falta de conhecimento que impulsiona um processo interminável de produção de conhecimentos." ...

FILOSOFIA E O MEIO AMBIENTE 3

   A transição de uma sociedade insustentável para a sustentável é um desafio para todas as culturas e saberes que valorizam os seres humanos e todo o meio ambiente. Ver, pensar, agir, se fazer sujeito. As metodologias na área de meio ambiente sugerem abordagens multidisciplinares sobre os problemas ambientais. Algumas já são mundialmente aceitas como o agir local e o pensar global. O simples fato de pensar sobre a realidade dos seres humanos e o mundo que vivemos já nos torna mais humanos. Por que nós seres humanos já no século XXI ainda não organizamos sociedades onde a maioria das pessoas possam ser mais felizes, termos qualidade de vida e meio ambiente sadio para todos ? 



FILOSOFIA E O MEIO AMBIENTE 2

  Por que os seres humanos estão degradando os próprios seres humanos e agindo de forma predatória com o todo o meio ambiente ? As respostas estão colocadas como desafios para os seres humanos neste século XXI. 



segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

A FILOSOFIA E O MEIO AMBIENTE


  Partilhamos da afirmação de que não existe saber superior. Existem saberes que se completam. A construção da sustentabilidade: do agir sobre os problemas de meio ambiente, buscando-se uma melhor qualidade de vida e ambiente mais saudável - exige de todos nós avançarmos no pensar e agir.  Já ouvimos dizer que a pergunta da prosperidade é - por que ? 
  A filosofia como ciência ou filosofias de culturas diversas contribuem no pensar e podem iluminar nosso agir em busca de um meio ambiente mais sadio.  Enrique Leff em seu livro Saber Ambiental afirma: "o saber ambiental está em processo de gestação, em busca de suas condições de legitimação ideológica, de concreção teórica e de objetivação prática. Este saber emerge de um processo transdisciplinar de problematização e transformação dos paradigmas dominantes do conhecimento..."
   "Conhece-te a ti mesmo"... este já é um passo importante para vencermos os desafios socioambientais na construção de sociedades sustentáveis. Por este motivo relembramos alguns filósofos e parte dos saberes...








CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DE MG

APROVADO O NOVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DE MINAS GERAIS

   A Deliberação Normativa CERH nº 44, de 06 de janeiro de 2014, estabeleceu o novo Regimento Interno do Conselho Estadual de Recursos Hídricos – CERH/MG.
O CERH é um órgão colegiado, normativo, consultivo e deliberativo e integra o Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos - Sisema.
Este órgão tem por finalidade promover o aperfeiçoamento dos mecanismos de planejamento, compatibilização, avaliação e controle dos Recursos Hídricos do Estado, tendo em vista os requisitos de volume e qualidade necessários aos seus múltiplos usos.
Sua estrutura é composta por Presidência, Plenário, Secretaria Executiva e Câmaras Técnicas.
Dentre as principais alterações trazidas pela nova redação do Regimento Interno, destacamos as seguintes dentre outras:
a) Atualização do texto do Regimento Interno conforme o Decreto Estadual nº 26.961, de 28 de abril de 1987 e a Lei Estadual nº 13.199, de 29 de janeiro de 1999.
b) Padronização das reuniões das estruturas colegiadas do CERH/MG, com a definição da forma de organização e funcionamento das mesmas.
c) Detalhamento acerca da forma de composição do CERH/MG, com a inclusão do Ministério Público como membro do Conselho, e ampliação do mandato dos membros para três anos.
d) Indicação da competência para julgamento dos recursos quanto às decisões dos comitês de bacia hidrográfica, e quanto à aplicação de penalidade por infração às normas da Lei Estadual nº 13.199/99.
e) Previsão de criação de Grupos de Trabalho pelas Câmaras Técnicas.
f) Indicação dos casos em que o membro do Conselho encontra-se impedido de atuar no processo administrativo, bem como dos casos em que sua suspeição poderá ser arguida. g) Estabelecimento de diversas competências ao CERH/MG, tais como:
• aprovar a outorga dos direitos de uso de recursos hídricos para empreendimentos de grande porte e com potencial poluidor, na hipótese de perda de prazo pelo Comitê de Bacia Hidrográfica, prazo este fixado em regulamento;
• aprovar a outorga dos direitos de uso de recursos hídricos para empreendimentos de grande porte e com potencial poluidor, na falta do Comitê de Bacia Hidrográfica, por meio de Câmara instituída com esta finalidade;
• aprovar estudo para subsidiar a regulamentação, por meio de decreto, das diretrizes e critérios para financiamento ou concessão de subsídios para obras de uso múltiplo de
recursos hídricos;
• deliberar sobre o relatório de atividades dos comitês de bacias hidrográficas e sobre a aplicação dos recursos financeiros provenientes do FHIDRO destinados aos comitês de bacias.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

sábado, 11 de janeiro de 2014

PARQUES NACIONAIS NO BRASIL: UMA OPÇÃO NAS FÉRIAS


Parque Nacional da Serra da Canastra - MG (ICM-Bio)
    O PARQUE NACIONAL no Brasil é uma das categorias de unidades de conservação de proteção integral da natureza definidas na Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Tem como objetivo básico a preservação de ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica, possibilitando a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades de educação e interpretação ambiental, de recreação em contato com a natureza e de turismo ecológico.
As unidades de conservação desta categoria, quando criadas na esfera federal da administração pública, são chamadas de parque nacional; na esferal estadual, parque estadual e na municipal,parque natural municipal. Essas unidades são de domínio público, com visitação permitida e controlada pelo respectivo orgão administrativo.
   Os parques nacionais no Brasil são administrados pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), uma autarquia vinculada ao Ministério do Meio Ambiente criada em 2007. A abertura para visitação depende da análise e liberação de órgãos governamentais competentes

   Segue link dos Parques Nacionais do ICM-Bio. O importante é seguir as normas de segurança de cada Parque e estar acompanhado dos guias credenciados pelos órgãos administradores.

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

AQUECIMENTO GLOBAL: INDICADORES NOS EXTREMOS DE CLIMA NO MUNDO


  A onda de frio que toma conta do Canadá e EUA está relacionada, segundo especialistas em clima, com um potente vento  circular chamado “vórtice polar”  que costuma ficar confinado no topo do mundo no Ártico.  Este “vórtice” quando perde força, se dirige para o sul, trazendo neve e muito frio para latitudes intermediárias. Especialistas ainda afirmam que estas alterações climáticas são intensificadas por mudanças em um vento de altitude elevada chamado corrente de jato.  Dim Coumou, cientista sênior,  do Instituto Potsdam sobre o Impacto Climático (PIK), afirmou que o aquecimento global pode ser a causa deste evento incomum. Os invernos mais rigorosos podem ser verificados também na Europa, além do Canadá e EUA, aonde já se considera ser esta a maior nevasca dos últimos 20 anos.
   As nevascas afetam a vida das pessoas drasticamente, tanto na área da saúde humana, o frio intenso provoca queimaduras ou úlceras, mesmo com o uso de roupas protetoras; a exposição a temperaturas extremadamente frias pode ser causa de hipotermia ou congelamento, lesão que pode provocar necrose na pele, advertiram os serviços do governo norte americano. Em caso de exposição prolongada ao frio podem ser fatais.
"A pele pode congelar em apenas cinco minutos com sensações térmicas de -45°C", assinalaram os serviços meteorológicos de Minneapolis e Saint Paul, em Minnesota.  Com relação a infra estrutura urbana: no transporte, as pessoas se locomovem com dificuldade, estradas e ruas são bloqueadas pela neve, os vôos aéreos são cancelados, o consumo de energia é maior para aquecer a população, escolas são fechadas e vários serviços públicos não funcionam adequadamente.
    Para se ter uma noção do frio nos EUA a CNN, rede de tv norte americana, publicou uma foto enviada por um telespectador onde ele havia jogado um copo de água fervente no ar e a água virou gelo quase que instantaneamente.Várias regiões dos EUA decretaram estado de emergência . Alguns locais na região nordeste do país tiveram até 60 centímetros de neve. 
   No norte e no centro dos EUA, a sensação térmica esteve próxima de -51ºC. O estado americano de Montana chegou a registrar, na cidade de Comertown, -53ºC, informou a agência France Presse.
 Estima-se que a tempestade chamada Hércules, que provocou as nevascas em várias regiões dos EUA afetou mais de 187 milhões de pessoas e os prejuízos causados sejam superiores a US$ 5 bilhões (cerca de R$11,8 bilhões). 

OS EXTREMOS CLIMÁTICOS: NOS EUA E CANADA - 40º , NO BRASIL + 40º


Foto: Brasil
Foto: EUA

               









                                                          



   Contrastando com os países do norte, a Argentina e o Brasil, estão vivendo neste início de 2014,  dias de intenso calor. Marcelo Celutti, chefe da divisão de operações do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), ligado ao Ministério da Ciência e da Tecnologia, relaciona estes extremos de temperaturas no mundo ao aquecimento global.  “Existe uma maior frequência desses fenômenos extremos, inclusive agora nós temos simultaneamente vários deles ocorrendo", argumenta.As temperaturas que existem no Polo Norte estão sendo transportadas praticamente sem modificação para a região Central dos Estados Unidos", compara o especialista. 

 No Brasil a temperatura média em janeiro de 2014, está com cinco graus a mais em relação aos últimos anos. Uma questão importante é o tempo de reação que o mundo terá para deter alterações climáticas que colocam seres humanos em vulnerabilidade de forma crescente. O modo de produção de sociedades insustentáveis, aquecem o planeta e agem de forma predatória com relação ao meio ambiente. Aqueles que questionam o aquecimento global fazem parte da diversidade de opiniões da ciência que não é neutra. Aos que dizem que as ações humanas não interferem no clima, basta avaliarem regiões como a grande São Paulo ou as cidades chinesas com os altos índices de poluição atmosférica. 
 As mudanças climáticas têm consequências que estão sendo sentidas por cada um de nós em todo o mundo. Ainda é possível agirmos construindo sociedades de fato sustentáveis. É preciso democratizar as informações de como podemos nos unir e vencer os conflitos e problemas socioambientais. Um meio ambiente mais saudável e com qualidade de vida para todos é o que queremos. 

    Inscreva-se no blog do Jornal O Ecoambiental : www.oecoambiental.blogspot.com - basta seguir no lado direito. 




domingo, 5 de janeiro de 2014

A HISTÓRIA DO MUNDO E A SUSTENTABILIDADE


    Conhecer de onde viemos e para onde vamos é uma busca permanente dos seres humanos. Acrescentar conhecimento a nossa história pessoal é perceber que somos sujeitos históricos. Além das explicações científicas temos as reflexões de crenças e culturas sobre a história do mundo e da humanidade que agregam sabedoria e conhecimento.
   A valorização dos seres humanos e de todo meio ambiente: a construção da sustentabilidade é o grande desafio para nossa espécie humana neste século XXI.  Este vídeo a seguir, favorece uma reflexão macro-histórica. Não se trata de concordarmos ou não com esta abordagem histórica. Nosso intuito é favorecer uma reflexão holística sobre a importância das repercussões das ações humanas, uma vez que ocupamos, como espécie, uma parte significativa do planeta. As possibilidades de construção de um presente e futuro com melhor qualidade de vida e meio ambiente sadio para todos ainda é possível, na medida em que defendamos juntos a vida, a valorização dos seres humanos e de todo meio ambiente.